As actividades dos Clubes AnimaC

Projeto Educativo
Linhas Orientadoras 2018/2019


O Projetar significa antecipar o futuro, mas um futuro a fazer, a construir, e não apenas a idealizar.

Tendo por base o Ideário dos Colégios Claretianos e os valores consignados na Missão e Visão do Colégio Internato dos Carvalhos, que aqui se relembram:

Missão – Somos uma comunidade educativa, com identidade Cristã Claretiana, que desperta e promove o desenvolvimento integral da pessoa humana.

Visão – Queremos ser uma Escola de referência, inovadora, aberta e comprometida com a comunidade envolvente, em missão partilhada, com um projeto educativo de matriz cristã, atenta ao que, em cada momento, for mais urgente, oportuno e eficaz.

definem-se princípios orientadores que, no ano letivo 2018/19, deverão concretizar o Projeto Educativo do Colégio Internato dos Carvalhos, sob o lema “Uma comunidade de pessoas com projetos de vida com sentido”.

Mantendo a coerência no sentido de consolidar os princípios e valores promovidos nos últimos anos, procuraremos dar continuidade, no presente ano letivo, ao compromisso que assumimos de criarmos, juntos, uma verdadeira comunidade comprometida com a pessoa de cada aluno, de cada encarrega-do de educação, de cada educador.

Esta proposta resultou de uma reflexão profunda dos pressupostos considerados fundamentais para (re)construção de uma autêntica comunidade educativa onde todos, sem exceção, cresçam como pessoas, motivadas para enfrentarem os desafios do futuro e capazes de materializar, no concreto das suas vidas, os princípios da nossa identidade cristã: uma comunidade educativa animada pela alegria e pela esperança cristã.

Este ano, ainda sob a ideia subjacente ao lema - “Uma Comunidade de pessoas com projetos de vida com sentido” –, focaremos a nossa ação educativa na promoção do desenvolvimento humano, sobre-tudo, no que diz respeito às preocupações com o nosso semelhante, no sentido de fazer da sua vida algo com sentido. Com sentido e com a intenção de poderem ser úteis à sociedade em que estão inseridos.

O Governo Português escolheu, para o ano letivo 2018/2019, como prioridade “a melhoria da qua-lidade das aprendizagens dos alunos, de modo a garantir que todos adquirem os conhecimentos e desenvolvem as capacidades e atitudes que contribuem para alcançar as competências previstas no Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória”.

Esse documento salienta, entre outros aspetos, que as escolas devem:

  1. Definir regras e procedimentos que permitam a constituição de equipas educativas de modo a potenciar o trabalho colaborativo e interdisciplinar no planeamento e realização conjunta das ativi-dades letivas, bem como na avaliação do ensino e das aprendizagens;
  2. Criar condições que permitam o acompanhamento pelas equipas educativas das turmas ou grupos de alunos ao longo de cada ciclo;
  3. Implementar momentos específicos de partilha, reflexão dos docentes sobre as práticas pedagógi-cas e de interligação entre os diferentes níveis de educação e ensino;
  4. Atuar preventivamente para permitir antecipar fatores/preditores de insucesso e abandono escolar;
  5. Implementar medidas que garantam uma educação inclusiva que responda às potencialidades, expectativas e necessidades de cada aluno;
  6. Promover a inovação e a diversificação de metodologias de ensino e aprendizagem;
  7. Promover um acompanhamento próximo dos alunos que transitam de ciclo e de escola;
  8. Identificar atempadamente as dificuldades de integração e de aprendizagem dos alunos;
  9. Promover o acompanhamento próximo dos alunos que em cada turma manifestem dificuldades de integração, de relacionamento com colegas e docentes, e de aprendizagem;
  10. Ajustar o horário dos docentes às necessidades escolares que ocorram ao longo do ano letivo, sempre que tal se justifique.

O desafio lançado à sociedade portuguesa é grande. Nas instituições escolares, espaços privilegiados de promoção de cultura e de educação para a cidadania, são depositadas esperanças acrescidas, pois só através de uma ação educativa verdadeiramente centrada na pessoa do aluno, na sua individuali-dade, permitirá o seu crescimento humano através do desenvolvimento de competências pessoais e relacionais que lhe permitam situar-se no mundo numa perspetiva de cooperação e entreajuda, na promoção e construção de um mundo mais digno, justo e humano.

Trata-se, pois, de um desafio que a todos deve comprometer. Já o referimos num passado recente e gostaríamos de o reforçar para este futuro próximo. A escola, mais do que desenvolver um conjunto de matérias e atividades, tem de transmitir uma visão de vida, um ideal de ser humano. Neste senti-do, o nosso compromisso é, em primeiro lugar, com o desenvolvimento humano de cada aluno. A nossa atuação será ajudá-lo a construir-se livremente em todas as suas dimensões para que ele (aluno) se projete nesta imensidão que é a vida e descubra o sentido para a sua própria existência. Perante tal grandiosidade que nos é pedida e confiada, só uma comunidade que se sente e se faz verdadeira-mente comunidade é capaz de responder, com responsabilidade, a este desafio. Uma comunidade (verdadeiramente educativa) faz-se a cada momento. Cada elemento tem a convicção de que não caminha sozinho, faz parte de um grupo que comunga dos mesmos ideais, que participa ativamente nos projetos, nas vitórias e também nas derrotas porque elas, naturalmente, fazem parte da ação; dis-ponibiliza todo o seu conhecimento e competência com espírito de serviço, mas que, ao mesmo tem-po, reconhece as diferenças em cada colega, em cada aluno, em cada pessoa e é capaz de aprender com os outros, porque tem uma atitude de aprendizagem e crescimento; é alguém que se entrega incondicionalmente ao trabalho, porventura árduo, mas que não desanima; é alguém que se esforça por construir uma comunidade viva na qual todos se ajudam mutuamente e procuram o bem de to-dos.

Este é o nosso compromisso que assumimos no passado, mas que renovamos para o futuro - tornar-mo nos mais comunidade, procurando reforçá-la cada vez mais, promovendo um ambiente marcado pela alegria e o bem-estar de todos.
Juntos, promoveremos o desenvolvimento humano de cada aluno(a).

Assim:

  1. Promoveremos medidas de reforço da autonomia e das possibilidades de flexibilidade no desenvolvimento do currículo para possibilitar a melhoria das aprendizagens dos alunos, garantindo que todos alcançam as competências previstas no Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória;
  2. Colocaremos em prática um ensino humanizado, em que a preocupação com os que evidenciam mais dificuldades lhes possibilite sucesso académico e pessoal;
  3. Nos casos em que a equipa de docentes da turma identificar necessidades específicas de acesso às aprendizagens curriculares, a abordagem multinível permite o recurso a medidas universais, seletivas e adicionais;
  4. As horas de apoio educativo da CNL serão utilizadas nas necessidades reais que forem identificadas;
  5. Adotaremos medidas de coadjuvação em sala de aula que assentarão numa lógica de trabalho colaborativo entre os docentes envolvidos;
  6. Continuaremos a defender uma escola de e com valores de democratização da educação e de igualdade de oportunidades no sucesso educativo;
  7. Continuaremos a promover uma oferta educativa adequada às exigências do mercado e dos tempos atuais;
  8. A cultura, a literatura, a(s) língua(s), a ciência, o conhecimento, a arte, o desporto e a tecnologia, continuarão muito centradas numa dinâmica experimental;
  9. Promoveremos a criação de um ambiente de motivação, de transparência e de envolvimento das pessoas, desenvolvendo uma comunicação eficaz e eficiente, capaz de garantir que os objetivos da escola sejam conhecidos e partilhados por todos;
  10. Promoveremos a realização pessoal e profissional de toda a comunidade escolar.

 

OBJETIVOS GERAIS

  • Contribuir para a formação integral de todos os alunos;
  • Promover um ambiente educativo que emane valores cristãos e claretianos
  • Envolver ativamente toda a comunidade educativa na missão de educar/formar
  • Promover o desenvolvimento integral de cada jovem que frequenta o CIC, tendo em conta as diferentes dimensões que o constituem (individual, social e transcendental)
  • Promover uma educação humanista e inclusiva, que tenha em conta as características e condições individuais de cada aluno;
  • Promover uma cultura de escola com base nos princípios de cidadania ativa e responsável
  • Assegurar a todos os alunos uma formação geral e científica de qualidade e permitir opções formativas diferenciadas, segundo vocações e interesses próprios;
  • Promover o desenvolvimento de competências transversais nos alunos, indo ao encontro do Perfil do aluno à saída do ensino secundário, traçado e definido pelo Ministério de Educação
  • Proporcionar a consolidação, o aprofundamento e o domínio de saberes, instrumentos e metodologias que fundamentem uma cultura humanista, artística, científica e técnica e favoreçam a definição de interesses e motivações próprias;
  • Criar as condições que permitam a consolidação e aprofundamento da autonomia pessoal que contribuam para uma realização individual e socialmente gratificante;
  • Valorizar o desenvolvimento de aptidões vocacionais e profissionais, de modo a promover a formação para o exercício de uma profissão;
  • Valorizar o papel da família (pais/encarregados de educação) no processo educativo dos seus filhos/educandos promovendo o seu envolvimento e participação na vida do CIC
  • Fomentar uma cultura de liberdade responsável, participação, reflexão, qualidade e avaliação;
  • Reforçar o respeito pelo outro garantindo qualidade nas relações humanas;
  • Suscitar a participação ativa de outras organizações/instituições na vida da escola;
  • Fomentar o intercâmbio de culturas e saberes a nível nacional e transnacional;
  • Promover o desenvolvimento do processo de avaliação interna e externa da escola
  • Promover a formação contínua de todos os agentes da comunidade educativa;
  • Proceder a uma avaliação sistemática das práticas educativas;
  • Contribuir para a credibilização sistemática da profissão docente.

 

DOMÍNIOS DE INTERVENÇÃO E METAS EDUCATIVAS

Estabelecem-se os seguintes Domínios de Intervenção, assim como as respetivas Metas Educativas a atingir no ano letivo 2018/19:

Domínios Metas Educativas
Nível escola

  • Desenvolver projeto pastoral educativo “CASA” envolvendo toda a comunidade educativa
  • Promover um Colégio inclusivo, onde todos e cada um dos alunos, independentemente da sua situação pessoal e social, possam encontrar respostas que lhes possibilitem a aquisição de um nível de educação e formação facilitador da sua plena inclusão social
  • Reforçar a estratégia de Educação para a Cidadania na Escola, envolvendo e implicando toda a comunidade escolar e meio envolvente

Ensino - aprendizagem

  • Promover uma formação de qualidade adequando os processos de ensino/aprendizagem às características e condições individuais de cada aluno ou turma, mobilizando os meios e recursos que o Colégio dispõe.
  • Potenciar os resultados escolares dos alunos.

Relação Escola/Família/Comunidade

  • Intensificar e diversificar a participação de Pais e Encarregados de Educação na vida da escola;
  • Desenvolver a articulação entre a escola e o meio em que se insere;
  • Contribuir para a formação da consciência cívica da Comunidade Educativa e incentivar à participação ativa e responsável na comunidade.

Organização e Gestão Escolar

  • Garantir a eficácia dos processos de organização e promover uma gestão partilhada;
  • Racionalizar recursos e desburocratizar procedimentos;
  • Gerir adequadamente os recursos humanos de forma a fomentar a motivação, participação e autonomia de todos os profissionais;
  • Fomentar o trabalho cooperativo entre os vários agentes educativos.

Formação Profissional

  • Aprofundar a formação profissional de acordo com a tradição da escola e as necessidades do mercado.
  • Fomentar a educação para a cidadania e a inclusão;

 

ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO

Nível Escola

  • Desenvolver os quatro pilares fundamentais do projeto CASA CIC: Conhecer, Amar, Servir e Adorar, mediante o plano pastoral 2018/2020, destinado a toda comunidade educativa
  • Implementação das diretrizes do decreto de lei 54/2018 relativo à escola inclusiva, nomeadamente na criação de uma equipa multidisciplinar de apoio à educação inclusiva e dinamização das suas linhas de atuação
  • Implementação da estratégia de educação para a cidadania do Colégio, dando um especial enfoque a temáticas como Direitos Humanos (civis e políticos, económicos, sociais e culturais e de solidariedade); Igualdade de Género; Interculturalidade (diversidade cultural e religiosa);
  • Desenvolvimento Sustentável; Educação Ambiental; Saúde (promoção da saúde, saúde pública, alimentação, exercício físico); voluntariado e empreendorismo.
  • Desenvolvimento do Projeto de formação humana SER+;
  • Certificação de competências humanas desenvolvidas nos diferentes contextos da escola: CICSkills.

Ensino/Aprendizagem

  • Acompanhamento pedagógico personalizado a cada aluno realizado pelo tutor e psicólogo responsável pela turma
  • Promoção de ações junto das famílias para a sensibilização no cumprimento das tarefas escolares dos seus educandos;
  • Desenvolvimento de competências de estudo, organização e hábitos de trabalho;
  • Implementação de aulas de substituição,
  • Implementação de aulas de apoio mediantes as necessidades de cada aluno. Implementação de medidas de apoio pedagógico em sala de aula, que assentarão numa lógica de trabalho colaborativo entre os docentes envolvidos, de maneira a potenciar as aprendizagens;
  • Desenvolvimento de hábitos de leitura e investigação;
  • Promoção da literacia científica e tecnológica;
  • Reforço do bom uso, oral e escrito, da língua portuguesa;
  • Divulgação, valorização e reconhecimento de boas práticas e resultados;
  • Dinamização dos Conselhos de Turma, nomeadamente na organização de projetos de interdisciplinaridade e projetos de atividades de turma, ajustados à especificidade e interesses de cada grupo de alunos;
  • Dinamização de aprendizagens baseadas em projetos.

Relação Escola/Família/ Comunidade

  • Dinamização e envolvimento dos Pais e Encarregados de Educação em ações previstas no Plano Anual de Atividades e Plano Educativo Pastoral
  • Dinamização de ações de sensibilização, orientadas por técnicos especializados, sobre o papel fulcral da Escola na formação integral do aluno.
  • Criação de parcerias com diversas entidades públicas e privadas;
  • Realização de visitas de estudo que permitam um conhecimento mais aprofundado do Meio;
  • Dinamização de diferentes atividades/projetos, para e/ou abertos à comunidade envolvente, nomeadamente a Semana Cultural e ExpoCIC;
  • Proporcionar experiências de carácter socioprofissional que facilitem a futura integração dos jovens no mundo do trabalho.

Organização e Gestão Escolar

  • Elaboração e análise crítica dos relatórios de atividades das várias estruturas e das ações constantes no Plano Anual de Atividades;
  • Recurso às tecnologias, garantindo uma comunicação rápida e eficaz entre toda a comunidade escolar;
  • Uniformização e simplificação de procedimentos e documentos;
  • Gestão eficaz dos recursos materiais, otimizando o funcionamento dos serviços;
  • Envolvimento de toda a comunidade escolar nas diferentes atividades da escola;
  • Formação interna e externa do pessoal docente e não docente.

Formação Profissional

  • Diagnóstico das necessidades de formação profissional, sobretudo na região de inserção do Colégio;
  • Atualização dos programas curriculares das disciplinas tecnológicas de acordo com a inventariação das necessidades formativas.

 

AVALIAÇÃO DAS LINHAS ORIENTADORAS DO PROJETO EDUCATIVO

As Linhas Orientadoras do Projeto Educativo, como um instrumento de mudança, devem ser objeto de um processo de avaliação que afira os objetivos atingidos e a sua eficácia.

As Linhas Orientadoras do Projeto Educativo serão acompanhadas e avaliadas pelo Conselho Pedagógico.


Avaliação Quantitativa
A Avaliação Quantitativa basear-se-á em resultados obtidos nos seguintes indicadores:

  • Média dos níveis atingidos, por disciplina, em cada período de avaliação e no final do ano letivo;
  • Média dos Exames Nacionais;
  • Transição por ano de escolaridade;
  • Transferência por ano de escolaridade;
  • Taxa de conclusão do ensino secundário;
  • Ingresso no ensino superior;
  • Ingresso no mercado de trabalho;
  • Frequência de estágios profissionais;
  • Resultados da participação em concursos e provas intra e extraescola;
  • Participação dos pais/encarregados de educação na vida da Escola.

Avaliação Qualitativa
A Avaliação Qualitativa deverá centrar-se na reflexão e na análise da eficácia das estratégias adotadas relativamente à consecução dos objetivos subjacentes aos Princípios Orientadores, tendo em conta as diferentes limitações (materiais, orçamentais e organizacionais).
Instrumentos de Avaliação Qualitativa:

  • Relatório do Conselho Pedagógico;
  • Relatórios de Atividades dos Órgãos de Apoio Pedagógico (Vogais da Direção Pedagógica), dos Delegados de Grupo Disciplinar, dos Coordenadores de Curso, do Gabinete de Psicologia e de Orientação Vocacional, do Gabinete de Estágios, do Conselho de Pastoral e Gestão de Projetos e Causas (CPGPC), da Associação de Pais (APCIC) e das Entidades Protocoladas.

Toda a comunidade educativa deve ser envolvida na avaliação das Linhas Orientadoras do Projeto Educativo, porquanto se trata do documento orientador da prática de todos os agentes do Colégio.

 

DISPOSIÇÕES FINAIS

Estas Linhas Orientadoras do Projeto Educativo do Colégio Internato dos Carvalhos têm a duração de um ano letivo e serão avaliadas no seu final pelos órgãos competentes do Colégio, devendo ser reformuladas e adaptadas às novas realidades que, entretanto, se imponham.

A sua divulgação far-se-á através de um documento escrito ou digital que será dado a conhecer a toda a comunidade educativa, estando disponível na página em linha do Colégio.

Esta proposta foi elaborada pela Direção Pedagógica do Colégio Internato dos Carvalhos e aprovada em Conselho Pedagógico.


Carvalhos, 10 de setembro de 2018
A Direção Pedagógica